AGENDA.png
TRANSPARENCIA.png

- Américo Brasiliense

- Araraquara

- Boa Esperança do Sul

- Gavião Peixoto

- Motuca

- Nova Europa

- Ribeirão Bonito

- Santa Lúcia

- Trabiju

SISMAR - Sindicato dos Servidores Municipais de Araraquara e Região

 

Américo Brasiliense, Araraquara, Boa Esperança do Sul, Gavião Peixoto, Motuca, Nova Europa, Ribeirão Bonito, Santa Lúcia e Trabiju


Rua Gonçalves Dias, 970 - Centro - Araraquara/SP

Central de informações: (16) 3335-9909

e-mail: contato@sismar.org.br

O SISMAR tem lado e é o esquerdo

E por um motivo bem simples: em política, a direita é a defensora dos lucros dos patrões e a esquerda é a defensora dos trabalhadores. Ponto.



É finalidade do SISMAR (consta do Estatuto Social do Sindicato) defender a sociedade democrática e os direitos humanos, bem como atuar no sentido de manter as instituições democráticas e elevar a cidadania ao conjunto de seus representados.


Este posicionamento do SISMAR tem a ver com política, não com partidos (também consta do Estatuto que o SISMAR deve manter autonomia em relação ao Estado, a partidos políticos e credos religiosos). Até porque há partidos políticos que se dizem de esquerda, mas que fazem políticas públicas típicas da direita. Temos exemplos claríssimos disso na região: governos de partidos teoricamente de esquerda, mas com práticas políticas da direita, como:


  • terceirização

  • privatização

  • redução do poder de compra dos salários dos servidores

  • perseguição contra desafetos políticos

  • desrespeito às leis trabalhistas

  • desrespeito à organização sindical e outras.


Por outro lado, a direita no poder ataca mais diretamente os trabalhadores. O governo federal tem dado provas cabais disso, com reformas que destroem direitos trabalhistas e preservam os capitalistas, os políticos, o judiciário e os militares.


E a direita também ataca com mais violência, com ameaças nazistas, insinuações de fechamento de congresso, intervenção militar.


Então, para ficar bem claro, o SISMAR defende ‘políticas’ de esquerda, não ‘partidos’.


E o que seriam políticas de esquerda, neste caso?


  • Valorização dos salários, das carreiras e da qualidade de vida dos servidores

  • Políticas de redução das desigualdades sociais

  • Fortalecimento do Estado (que é exatamente o contrário de terceirizações e privatizações)

  • Respeito às leis trabalhistas

Dito isto, esclarecemos que os Grupos de Servidores Municipais criados pelo Sindicato são, sim, espaço para o debate político eleitoral, pois entendemos que os servidores precisam de conhecimento e clareza na hora de votar.


E os grupos são um espaço no qual o SISMAR vai defender políticas de esquerda e repudiar com força políticas de direita, pelos motivos já explicados.


Dizer que qualquer Sindicato tem que ser neutro ou isento nos debates políticos seria exigir que os sindicatos abrissem mão do seu papel fundamental, que é organizar os trabalhadores, conscientizá-los de seus direitos e de que lutar por eles é essencial.