Terceira escola fechada em 15 dias por surto de Covid-19 em Araraquara

Ainda dá tempo de aderir à greve sanitária; situação é tensa e dramática com ocupação de leitos de UTI em 98%



Depois da interdição de dois CERs, do Adalberto Roxo e da Vila Xavier, nesta segunda, dia 26, desta vez foi interditada a EMEF Henrique Scabello, no Jardim das Hortênsias, a partir de hoje, dia 27. A Prefeitura não divulgou informações até o momento sobre quantos e quais alunos ou servidores estavam infectados na unidade e nem se tinham sintomas ou não.

Porém, como a escola fechou, sabemos que pelo menos três pessoas que frequentaram a unidade por 15 dias estão infectadas com covid-19. Quantas pessoas será que eles contaminaram? Será que foi você, seu colega, ou será que foi aquele entregador que vai na sua porta amanhã?

Diante destes fatos, o SISMAR insiste: Nenhum servidor da Educação municipal de Araraquara deve ir trabalhar por enquanto. O setor está em greve sanitária desde o dia 5 de abril.

A greve é aberta a todos os servidores da Educação que quiserem se proteger, é pela proteção da vida das pessoas, a sua, a de todos da comunidade escolar e a de todas as nossas famílias.

Não se exponha, não exponha sua família e a de seus alunos ao risco, venha para a greve. Assista a assembleia virtual às 9h e às 16h, assine a lista de presença e não vá trabalhar, sua vida está em perigo.

O SISMAR tomou todas as providências jurídicas e administrativas para garantir o direito de greve a todos. Não houve desconto no pagamento do tíquete feito quando a greve já estava em andamento há duas semanas e não pode haver desconto de salário sem decisão judicial que autorize o Prefeito a fazer isso. E essa decisão judicial só acontece se a Prefeitura levar a greve para a Justiça, o que ainda não ocorreu.

O ideal é que cheguemos a um acordo sem necessitar da Justiça. Mesmo assim, se o caso for para a Justiça, os dias parados serão o primeiro objeto de negociação e na maioria dos casos temos sucesso neste acordo, seja com abono desses dias ou com reposição planejada.

De qualquer modo, preservar a vida ainda é mais importante do que qualquer desconto pontual de salário que possa haver no futuro, ou não precisamos estar vivos para usufruir do dinheiro?

A greve é pela vida.

Vacina no braço e comida no prato.

948 visualizações0 comentário